Contribuição: Laura Lameira

Devido às grandes revoluções tecnológicas, o ser humano tem se tornado cada vez mais preguiçoso e impaciente (verdade seja dita). Não conseguimos mais enfrentar filas de supermercado sem ficarmos chateados com a demora. Passamos a querer respostas rápidas. Alguém demorar a nos responder no whatsapp já vira motivo de tweets aborrecidos. Estamos nos tornando gradativamente super acomodados. E preguiçosos.

Isso é realidade na nossa vida espiritual, também.

Temos deixado a preguiça tomar conta da nossa vida de uma forma extraordinária, estamos sendo dominados por ela, nossas vontades estão sendo moldadas por ela. Muitas vezes deixamos de orar e ler a Bíblia por causa da preguiça, deixamos de ir à igreja por causa da preguiça, deixamos de pregar o evangelho pelo mesmo motivo.

Mas, não se preocupe, é isso o que o diabo quer.

As vezes, nem nos damos conta disso. Começamos na fé tão ávidos, ansiando aprender mais de Deus, com sede e fome do Evangelho. Contudo, com o passar do tempo, vamos esfriando, começamos a esquecer de orar, de ler, de meditar. A nossa fome gritante torna-se apenas um incômodo. Deixamos de cumprir um grande mandamento que Cristo nos deixou: Ide por todo o mundo e pregai o evangelho a toda criatura. (Marcos 16:15).

Se somos alvos da graça de Deus, devemos ser agradecidos o bastante ao ponto de querer que outros vivam essa mesma graça.

“Ó preguiçoso, até quando ficarás deitado?” (Provérbios 6:9)

Ser missionário não significa ter que sair do nosso lar para ir ao outro lado do mundo pregar a Palavra, ser missionário é ter a disposição de sair do nosso conforto para anunciar as Boas Novas. Ser missionário é falar do Evangelho aos seus familiares, vizinhos, amigos. Ser missionário é ter a coragem de abrir a boca para falar de Cristo àquela pessoa sentada ao seu lado no ônibus, na faculdade, no trabalho, no colégio. Ser missionário é renunciar as nossas vontades para fazer a vontade do Criador ao falar do Seu amor àqueles que ainda não O conhecem. Na vida de um missionário não há espaço para a preguiça, para a indisposição.

Preguiça é um pecado,e não é um pecadinho; pra Deus não existe essa diferença. Preguiça é tão pecado quanto o adultério, ou a pornografia. Deus abomina o pecado. Simples assim: Deus é perfeito e o pecado é imperfeição; o perfeito e a imperfeição não podem andar juntos, luz não se mistura com trevas.

“Vai ter com a formiga, ó preguiçoso, considera os seus caminhos e sê sábio” (Provérbios  6:6)