O Que Aprendi Com Marcos

  • Considerações gerais:

– Marcos não foi um dos discípulos de Cristo, nem teve um contato direto (Até onde sabemos) com o Mestre, mas muitos estudiosos afirmam que vinha de um família religiosa, ao menos sua mãe, Maria, e seu primo Barnabé, como mostra o relato bíblico que será exposto com mais detalhes no decorrer do texto;

– Não se pode provar a autoria de Marcos no evangelho, mas por tradição baseada nos relatos de grandes nomes da igreja do século I, II e III, tem-se como verdade que ele foi o autor, ou ao menos o “compilador” do evangelho; devido ao fato de que não andou com Jesus, mas foi o interprete de Pedro, do qual (não só, mas principalmente) ouviu relatos à cerca de Cristo – e até mesmo por isso temos tantos detalhes de conversas íntimas de Jesus e Pedro e diversas passagens correlacionadas nos evangelhos no qual apenas em Marcos há a citação do nome de Pedro.

  • Comecemos pelo começo:

Embora não possamos provar, os primeiros intérpretes da bíblia dizem que em Mc 14: 51-52 encontra-se a “assinatura de Marcos”. Relato encontrado apenas em “seu evangelho” descreve um jovem que seguia Jesus e assim como seus discípulos o abandonou. Entretanto, esse trecho não revela grande coisas, apenas que Marcos (assim como sua mãe) eram “seguidores de Cristo”, apesar de não ser um dos doze.

Falando na mãe de Marcos ainda, há especulações de que se ele, o jovem marcos, ou seu pai, seria o “homem do cântaro” em Mc 14:13-16. E, se a ceia foi realizada na sua casa. Sabe-se porém, que, a família de Marcos era uma família de recursos, e sua casa passou a ser constantemente usada como encontro dos cristãos daquela época para reuniões e orações e até mesmo para refúgio, por Pedro (At 12:12-17). Não se sabe se Marcos estava presente nesses momentos, mas em algum momentos os dois se conhecem e Marcos não vira apenas o secretário de Pedro, mas como o mesmo descreve em sua primeira carta, “um filho amado” (1Pe 5:13).

Entretanto, nem tudo na vida de Marcos foram flores, em um dado momento do relato bíblico (At 13:13) conta-se que ele havia sido levado por Paulo e Barnabé para a primeira viagem missionaria dos dois. Mas em um dado momento ele desistiu e voltou para Jerusalém; sem muita explicação, se por doença, disposição física, família ou mesmo medo das dificuldades que deveriam existir nessa viagem etc. Nós apenas sabemos que Marcos desistiu e que a consequência disso não foi muito boa para seu relacionamento com Paulo, a curto prazo.

“Tal desavença” foi tamanha que na segunda viagem de Paulo e Barnabé, o seu primo o quis levar novamente, mas Paulo não achava justo e rejeitou Marcos ao ponto de separar-se de Barnabé e ir com Silas para direções opostas. Sem dúvidas, nessa viagem Marcos aprendeu grandes coisas e ensinamentos à cerca de sua fé, tornou-se constante no seu crescimento como servo e evangelista de Deus de tal forma que a parti daí não haverá mais relatos de desistência e fraquejos de sua parte, do contrário, grandes elogios, inclusive daquele que um dia o “achou indigno” (sem julgar a intenção de Paulo, mas por falta de palavra melhor) de ir junto consigo para outra viagem missionária.

 

No capítulo do livro que eu li para me ajudar nos meus estudos diz que o relacionamento profundo de Pedro e seu amado filho (1Pe 5:13) serviu de grande ajuda para Marcos manter-se firme, e ainda “Pedro sabia, por experiência, que havia uma esperança para aqueles que tinham, de uma maneira ou de outra, sucumbido diante da tentação de ser desleal a Cristo e sua causa.  Parece claro, então, que a graça soberana, e a ‘tutoria de Barnabé’ (expressão cunhada por F.F. Bruce), da disciplina férrea de Paulo, e da influência poderosa de Pedro, tinha triunfado na vida de Marcos”.

Em Cl 4.10 vemos Paulo recomendar que acolhessem a Marcos, isso afirma o poder da obra reconciliadora de Cristo, e a paz que deve reinar nos que são de Seu corpo; não só haviam se perdoado mutuamente, como esquecido as desavenças do passado de uma vez por todas e vinham trabalhando para o reino “juntos”. Aquele que inicialmente havia sido desprezado por Paulo na sua segunda viagem é agora de tal importância que, em seus últimos momentos fala da vontade de o ter perto, e ser útil para o seu ministério (2Tm 4:11).

Marcos, do jovem moço que fugiu desnudo, desistiu de sua primeira viagem como ajudante missionário, a alguém que cresceu na fé com ajuda de seus tutores e irmãos ao ponto de ser útil para Paulo. O que podemos retirar disso tudo? Em especial para mim, aqui fica a humildade de Marcos em não guardar rancor das situações passadas com Paulo, mas isso é especificamente para mim. Entretanto, o que eu acho valido notar é que para nós, se Marcos foi o moço que fugiu desnudo de falto, sua vida com Cristo começou “exatamente” ¹ onde estamos agora: JOVEM! E, como a maioria dos jovens, teve medo e incertezas na vida, seja por qual motivo for que tenha o levado a abandonar a sua viagem, assim como nós, esse grande homem também foi passível de erro; e nós, assim como ele, podemos ser muito usados para o serviço do reino. Se buscarmos conselhos e ensinamentos mas pessoas certas, tivermos humildade e sempre lembrando de que tudo o que somos é por Cristo, podemos ser usados como ele foi (Claro que ninguém vai escrever um novo evangelho, por favor!)

“Marcos não era um grande líder, mas sim um seguidor. Não era um construtor, mas sim um ajudador. Não era alguém sem defeitos, mas sim uma pessoa que lutou contra suas fraquezas e as venceu”.  Talvez não seja só isso que tem para aprendermos da trajetória de Marcos, mas de longe, é o que me chamou mais atenção. Que a graça de Deus esteja sobre nós e nos ensine o Seu caminho.

 

 

 

¹EXATAMENTE: de fato não dá para dizer que Marco não conhecia a Cristo antes disso, mas é o primeiro na bíblia que temos dele tendo interesse por Jesus;