Série: Os Solas da Reforma

Os Solas da Reforma não são conceitos isolados, mas complementares, e por isso é tão importante estudarmos todos juntos. A expressão Sola Fide se refere ao conceito de que a fé em Cristo Jesus é o suficiente para a nossa justificação.

Historicamente falando, todos sabemos que a época em que Lutero escreveu suas teses e propôs a reforma na Igreja era uma época de grande escuridão espiritual para o povo. O clero detinha a Palavra para si e, infelizmente, faziam coisas reprováveis em “nome de Deus”. A pregação de que as boas obras faziam parte do nosso processo de justificação era a “falsa doutrina” ensinada, mesmo estando explicito na bíblia que não somos capazes de justificar a nós mesmos. Para eles o sacrifício de Cristo, e nossa fé nesse sacrifício não eram o suficiente.

“Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego; visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito:  O justo viverá por fé.” Romanos 1:16-17

Paulo, nesse trecho da carta aos Romanos cita o livro de Habacuque e foi esse trecho, principalmente, que inspirou o Sola Fide. Indo de encontro à doutrina vigente na época, o Breve Catecismo explica a fé como extrospctiva. Nós, pecadores, precisamos olhar para fora de nós, ou seja, para a Obra completa de justificação que Cristo perfeitamente realizou na cruz, e seguindo esse caminho (guiados pelo Espírito Santo) seremos justificados. A fé é nos reconhecer como pecadores, reconhecer nossa culpa perante Deus, e reconhecer que não somos capazes de nos justificar perante a santidade de Deus, mas reconhecer também que Jesus Cristo fez isso por nós.

A venda de indulgências para a salvação, de si mesmo ou de outras pessoas já falecidas, também era uma prática muito comum, e aqui eu friso que essa é uma “doutrina” que se encarrega de se renovar, algumas igrejas brasileiras hoje passam por um momento onde é necessário retornar aos ensinos iniciais dos Solas, se reformar e entender que a fé é o que nos justifica, pois Jesus é quem nos justifica. Não as obras, não o dízimo, mas a fé no sacrifício de Cristo Jesus. Algumas vezes isso passa despercebido no nosso cotidiano e trocamos a fé por outras coisas, achando que estamos fazendo por bem. NÃO.

“Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei. É, porventura, Deus somente dos judeus? Não o é também dos gentios? Sim, também dos gentios, visto que Deus é um só, o qual justificará, por fé, o circunciso e, mediante a fé, o incircunciso. Anulamos, pois, a lei pela fé? Não, de maneira nenhuma! Antes, confirmamos a lei.” Romanos 3: 28-31.

Se o velho testamento é Deus anunciando a vinda de Seu Filho para nossa justificação, a fé em Jesus é acreditar que Ele, o único que poderia, cumpriu a lei por nós. Então, hoje vivemos pela fé.

“logo, já não sou eu quem vive, mas Cristo vive em mim; e esse viver que, agora, tenho na carne, vivo pela fé no Filho de Deus, que me amou e a si mesmo se entregou por mim.” Gálatas 2:20

Minha oração é que eu, e todos os que estão lendo esse texto, sejamos cada dia mais renovados por nossa fé, pois ela não é uma fé vazia, mas uma fé em Cristo Jesus: o perfeito Filho que derramou seu sangue por nós!

“Porque pela graça sois salvos, mediante fé; e isto não vem de vós, é dom de Deus.
Não de obras, para que ninguém se glorie;” Efésios 2:8-9

 

ESTUDO BASEADO EM: http://www.ministeriofiel.com.br/artigos/detalhes/606/Sola_Fide

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.