Não Me Envergonho Do Evangelho -2

Na verdade, isso ainda faz parte do primeiro estudo, se faz muito tempo que você leu, relembre aqui.

“A mensagem é poderosa para convencer, converter, transformar, justificar, santificar e reconciliar. O evangelho é poder de Deus para todo aquele que crê, embora isso, mesmo assim, é um escândalo e inacreditável para um mundo caído (1Co 1:22-24). Não há nada maior e mais especial que a salvação, e o evangelho, por si só, é capaz de levar um homem, guiado pelo Espírito Santo, a conversão. ”

O evangelho é o poder de Deus para a salvação, é o meio pelo qual Deus se faz conhecer ao homem.

Sendo assim vamos deixar claro: a bíblia fala de Deus, a bíblia não fala de mim, nem de você. A bíblia fala de Deus e seu plano de misericórdia e graça. E é por isso que o comportamento cristão deve ser guiado por ela, já não vivemos mais por nós mesmo, mas sim para Deus (Gl 2.20).

Logo, nós temos que aceitar uma coisa, a ênfase é sempre o evangelho e não a cultura! Na parte I já vimos que a cultura atual não só menospreza como muitas vezes ridiculariza nossa fé, mas como então falaremos das boas novas para o mundo? Eu gosto muito de uma frase que Paul Washer disse em uma de suas pregações, algo como “Igrejas que utilizam métodos carnais para atrair homens, atrairão homens carnais” e a consequência disso é a necessidade desses meios carnais para mantê-los na igreja, pois não foi o puro e genuíno evangelho que os levou lá.

Saiba disso:

A BÍBLIA INSERIDA NA CULTURA DEVER LER A CULTURA E APLICAR-SE A MESMA, SEM SER MOLDADA PARA SER ENTENDIDA!

Pois só o Espírito Santo é quem ilumina e convence das verdades contidas nela e, se vamos além disso, “retiramos” o Espírito Santo, reduzimos a algo humano, e isso, é exatamente do que a bíblia não se trata! A bíblia fala de Deus!

Muitas igrejas hoje em dia têm se comprometido muito com o entretenimento e esquecem a bíblia e o simples, puro e genuíno evangelho na gaveta, e isso é triste, muito triste. Porém isso é tão imperceptível em nosso meio que, por mais que graças a Deus eu esteja em uma igreja que tem se mantido fiel a tais princípios, o exemplo que o pregador do acampamento deu se mostrou tão real para mim que me assustou. Ele disse: quem aqui convidou amigos descrentes para vir hoje? Várias mãos levantadas. E para culto de jovens? Várias mãos. Por quê? Por que é mais dinâmico? Por que é mais jovial? Se identificam mais etc? Estamos trocando a bíblia por manifestações culturais.

Dizer isso pode parecer um pouco radical dado a exclusão deste único exemplo, mas, porque precisamos mascarar o convite para ouvir da palavra com uma brincadeira depois? Mais uma vez, pense nisso.

Deus é o ponto de referências final de toda a realidade. Não existe nada no mundo que não tenha como principal fim o de manifestar a existência de Deus (Rm 11:36)

É claro que eu não estou condenando tooodas as novidades que de fato são úteis no culto ou até mesmo para a comunhão dos irmãos, mas quando essas coisas tem tomado a primazia de Deus e o lugar do evangelho ou quando tem sido feitas apenas para agradar corações de homens caídos, quando a nossa vergonha pelo simples evangelho que se parece, e digo apenas se parece como retrógado ou fora de moda,  que precisamos inventar desculpas para convidar pessoas para conhecer a igreja e cristo sem que pareçamos tão quadrados diante do mundo. Novamente repito: Não me envergonho do evangelho simples, e você?

 

E não sede conformados com este mundo, mas sede transformado pela renovação do vosso entendimento, para que experimenteis qual seja a boa, agradável e perfeita vontade de Deus. (Rm 12.2)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.