Morte Gera Vida

No último domingo, durante a classe da escola dominical de minha igreja começamos a estudar sobre um tema que, no mínimo, pode causar certo impacto, ou até mesmo desconforto: MORTE. Mas, qual a finalidade de estudar um tema tão difícil de lidar?

“Então, disse Jesus a seus discípulos: Se alguém quiser vir após mim, a si mesmo se negue, tome a sua cruz e siga-me. Porquanto, quem quiser salvar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a vida por minha causa achá-la-á.” Mateus 16:24,25. 

Que paradoxo! Jesus promete vida e vida em abundância (João 10:10). Porém, Ele nos convida a levar nossa cruz. Ele deixa bem explícito que a estrada para a vida é a morte. Mas, como assim?

Apesar da aparente contradição na relação entre morte e vida, Jesus nos ensinou, por meio de seu viver, que é necessária uma constante abnegação de nossas vontades e paixões, para que possamos experimentar a abundância da vida com Deus em nosso dia-a-dia. É isso o que o “a si mesmo se negue” significa.

Jesus usou a expressão “tome a sua cruz”. Ao usar esse termo, ele sabia o impacto que causaria aos seus ouvintes. Se vivêssemos naquela época, ao vermos um homem carregando uma cruz, não haveria duvida em nós de que se tratava de um condenado. Um condenado à morte.

Jesus usou essa cena chocante para representar o que aquelas pessoas deveriam fazer, caso decidissem segui-lo: a autonegação.

Esse não é um caminho fácil, pois teremos um grande inimigo para enfrentar: nós mesmos. Nossa natureza autopermissiva, arrogante e egoísta. Natureza essa que luta contra Deus e contra o Seu querer. Tiago nos diz que somos tentados pela nossa própria cobiça, quando nos deixamos ser seduzidos por ela (Tiago 1:14).

“Porque, se viverdes segundo a carne, caminhais para a morte; mas, se, pelo Espírito, mortificardes os feitos do corpo, certamente, vivereis” Romanos 8:13. 

Aqui, o apóstolo Paulo menciona novamente o paradoxo vida-morte do Cristianismo: ele diz que há um certo tipo de vida, um certo tipo de viver que levará à morte. Mas, também, há um tipo de morte (mortificação) que nos guiará para a vida.

Só conseguiremos realizar a vontade de Deus em nossas vidas se lutarmos contra nosso ego, se mortificarmos nossa natureza, isto é, sentenciarmos à morte nossos desejos pecaminosos. Afinal, é disso que a cruz trata: morte. Um instrumento de morte. Uma morte para o EU.

E então, poderemos experimentar Sua perfeita vontade sendo realizada em nós e finalmente viver, viver com abundância!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.