Prosseguindo Para o Alvo

Os alunos se aglomeravam e se empurravam para conseguir o melhor lugar para ver o mais célebre e ilustre ex-aluno que o colégio já tivera.  Sir Winston Churchill voltara a Eton, sua antiga escola na infância. Sua eloquência no falar e sua maestria na língua inglesa fizeram com que sua fama fosse conhecida de todos os estudantes britânicos.  Ansiosos por ver o grande orador mostrar sua habilidade, todos mantiveram-se atentos e em absoluto silêncio, enquanto o primeiro ministro britânico se aproximava da tribuna. Ele segurou no palanque, olhou firmemente para a plateia, ajustou o queixo numa expressão feroz e disse: “Nunca, nunca, nunca…desista”. Então ele se sentou. Com apenas uma frase ele eletrizou a audiência! Imagine quantas vezes aquelas palavras voltaram na mente daqueles jovens em momentos de crise, de hesitação e medo diante de circunstâncias adversas.

A história acima traz uma mensagem que é de extrema importância em nossa carreira cristã: não desista, persevere.

Quantas vezes em nossas vidas pensamos em desistir? Quantas vezes desviamos nossos olhos do alvo? Quantas vezes temos a esperança enfraquecida pelas situações que passamos?

O chamado à perseverança que emana das Escrituras nos manda prosseguir em direção ao alvo do nosso chamado superior (Filipenses 3:13, 14). Perseverar é uma atitude necessária ao nosso processo de santificação.

 “…desenvolvei a vossa salvação com temor e tremor; porque Deus é quem efetua em vós tanto o querer como o realizar, segundo a sua boa vontade”. Filipenses 2:12,13. 

Devemos desenvolver a nossa salvação com temor e tremor e em cooperação com a ação do Espírito Santo em nós. Afinal, sem a ação Deus em nossas vidas, a santificação é impossível. A transformação do “eu” sem a ação divina é uma tarefa fútil. Temos de perseverar e ao mesmo tempo confiar em Deus.

Então, somos chamados a trabalhar e trabalhar duro para que a cada dia sejamos moldados, aperfeiçoados à imagem de Cristo.

Entretanto, é claro que em nossa caminhada muitas vezes caímos e erramos. Nos sentimos frustrados e derrotados, sem ânimo de continuar. Nossa mente nos acusa de nossos pecados. Falhas repetidas não ajudam a inspirar confiança.

“Portanto, também nós, visto que temos a rodear-nos tão grande nuvem de testemunhas , desembaraçando-nos de todo peso e do pecado que tenazmente nos assedia, corramos, com perseverança, a carreira que nos está proposta”. Hebreus 12:1.

Deus nos convida a esquecer das coisas que passaram. Não devemos nos afundar na derrota e na falta de esperança. Não podemos nos render aos pensamentos de culpa que turvam nossa visão do alvo. Temos que nos afastar de tudo aquilo que nos atrapalha em nossa corrida.

Que possamos, como servos de Cristo, perseverar em fazer a Sua vontade e em viver uma vida que agrade a Deus.

E que possamos no final de nossas carreiras, fazer das palavras de Paulo as nossas:

“Combati o bom combate, completei a carreira, guardei a fé.” 2 Timóteo 4:7.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.