Os Fundamentos: Redenção

O presente texto é o terceiro post da série sobre Cosmovisão, você pode ler os outros textos aqui e aqui. Nele vamos falar sobre o terceiro pilar histórico da cosmovisão cristã, a Redenção.

Como vimos anteriormente, nossa visão de mundo deve ser formada por alguns fundamentos, sendo eles Criação, Queda, Redenção e Consumação. Porém, esses fundamentos não são encontrados apenas em uma cosmovisão cristã. É importante lembrar que todos os seres humanos têm uma cosmovisão, pela qual orientam sua vida. Estejam cientes disso ou não. As ideias e implicações carregadas por esses fundamentos também podem ser identificadas em outras crenças e modos de enxergar a realidade. Por exemplo, é bem possível que alguém que não seja cristão tenha uma ideia de como as coisas vieram à existência (Criação), que esteja claramente ciente do problema do Mal no mundo (Queda) e da necessidade de uma solução (Redenção). É possível até que Deus, por meio de Sua Graça Comum, conceda a um não cristão uma visão de Criação e Queda bem parecida com a visão cristã, porém jamais um incrédulo terá uma visão correta de Redenção, pois, para nós cristãos, ela só pode ocorrer por meio da fé em Cristo Jesus.  Portanto, gostaria de destacar dois pontos a respeito da visão de Redenção cristã:

1) Nossa Redenção vem por meio de Cristo somente:

 “sendo justificados gratuitamente, por sua graça, mediante a redenção que há em Cristo Jesus, a quem Deus propôs, no seu sangue, como propiciação, mediante a fé, para manifestar a sua justiça, por ter Deus, na sua tolerância, deixado impunes os pecados anteriormente cometidos; tendo em vista a manifestação da sua justiça no tempo presente, para ele mesmo ser justo e o justificador daquele que tem fé em Jesus. Onde, pois, a jactância? Foi de todo excluída. Por que lei? Das obras? Não; pelo contrário, pela lei da fé. Concluímos, pois, que o homem é justificado pela fé, independentemente das obras da lei.”  Romanos 3:24-28.

Se tem um ponto no qual a visão cristã de mundo diverge de todas as outras é na Redenção, pois somos naturalmente crentes no mérito próprio e nas nossas obras. Nosso orgulho e senso de autossuficiência nos inclina a esse modo de pensar. O homem natural acredita que pode, pela força do seu braço ser justificado diante de Deus. Entretanto, segundo a Bíblia, somos salvos somente pela graça, mediante a fé em Cristo Jesus. Essa fé nos desliga de qualquer possibilidade de participação por meio de obras.

A palavra usada para Redenção quer dizer: uma libertação efetuada pelo pagamento de resgate. Nós estávamos presos e escravizados pelo pecado (Rm 6:19-21) e Cristo pagou o preço do nosso resgate com seu sangue (Rm 3:24, 25) pois não poderíamos pagar esse preço, pois estávamos mortos  (Ef 2:1). Então, o próprio Deus envia Seu Filho para pagar o preço devido do resgate: a morte (Rm 6:23).

A obra redentora de Cristo exclui qualquer mérito ou participação humana.

2) A Redenção tem consequências cósmicas:

“A ardente expectativa da criação aguarda a revelação dos filhos de Deus. Pois a criação está sujeita à vaidade, não voluntariamente, mas por causa daquele que a sujeitou, na esperança de que a própria criação será redimida do cativeiro da corrupção, para a liberdade da glória dos filhos de Deus. Porque sabemos que toda a criação, a um só tempo, geme e suporta angústias até agora.” Romanos 8:19-22.

Ao observarmos o texto acima, fica evidente que as consequências do pecado (Queda) do homem têm uma abrangência que se estende a toda a natureza criada.  Porém, assim como a Queda, a Redenção tem um caráter cósmico também.

“Este é a imagem do Deus invisível, o primogênito de toda a criação; pois, nele, foram criadas todas as coisas, nos céus e sobre a terra, as visíveis e as invisíveis, sejam tronos, sejam soberanias, quer principados, quer potestades. Tudo foi criado por meio dele e para ele. Ele é antes de todas as coisas. Nele, tudo subsiste. Ele é a cabeça do corpo, da igreja. Ele é o princípio, o primogênito de entre os mortos, para em todas as coisas ter a primazia, porque aprouve a Deus que, nele, residisse toda a plenitude e que, havendo feito a paz pelo sangue da sua cruz, por meio dele, reconciliasse consigo mesmo todas as coisas, quer sobre a terra quer nos céus.” Colossenses 1: 15-20.

Cristo, por meio de seu sacrifício, pagou um alto preço para livrar da escravidão do pecado não apenas os seus escolhidos, mas também para religar consigo mesmo toda a criação.

Portanto, a visão cristã de Redenção está baseada única e exclusivamente na obra redentora de Jesus Cristo, sem mérito ou participação humana. Obra essa na qual o nosso Deus, por sua Vontade, buscou redimir todas as coisas criadas, por meio do sacrifício de seu Filho. E um dia, Ele voltará para transformar nosso corpo mortal em um imortal, e a criação caída em novos céus e nova terra (2 Pe 3:13).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.